sexta-feira, 22 de julho de 2011

Para ler em dias cinzentos




Sinceramente, dias cinzentos são definitivos.
Em dias cinzentos se decide viver ou morrer.
Dias cinzentos são a alegria dos poetas e a tristeza dos que preferem a prosa na esquina.
São lindos, mas opressivos.
De uma claridade que cega.
De uma constante melancolia.
Eu, pessoalmente, tenho um certo fascínio por dias cinzentos.
Fico triste, irritadiça, mas não consigo deixar de notar as cores desbotadas, os sobre tons, as nuances.
Acompanhados de frio então...
Detesto, mas admiro.
Dia de sol são poderosos.
Iluminados!
Em dias de sol, a luz cega os sentidos.
Dias de sol são para escorregar pelas frestas
Romper as arestas.
Amanhecer ao romper da aurora.
Numa praia deserta os dias de sol são oxigênio pra alma.
Tudo fica intenso, fosco, de pouco entendimento.
Preguiçoso...
Adoro.
Embora me turve o olhar.
Me aguça os sentidos.

Os dias cinzentos e os dias de sol tem característica diferentes e instigantes.
Qual você prefere?
Ambos me fascinam...